quarta-feira, 31 de agosto de 2011

O ANÚNCIO



Olavo Bilac
(A função do poeta)

“O dono de um pequeno comércio, amigo do grande poeta Olavo Bilac, abordou-o certa vez na rua: 
- Sr. Bilac, estou a precisar vender a minha propriedade, que o Senhor tão bem conhece. Poderia, por gentileza, redigir o anúncio para a venda no jornal? 
Olavo Bilac apanhou o papel que o amigo lhe estendia e escreveu:


           VENDE-SE  ENCANTADORA  PROPRIEDADE

"Vende-se encantadora propriedade, onde cantam os pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo. Cortada por cristalinas e marejantes água de um ribeiro. A casa, banhada pelo sol nascente, oferece a sombra tranqüila das tardes, na varanda".

“Meses depois, o poeta reencontrou o comerciante e perguntou-lhe se havia conseguido vender a propriedade”.
- Nem pense mais nisso Sr. Bilac! Quando li o anúncio que o senhor escreveu é que percebi a maravilha que tinha nas mãos.”

“Às vezes não descobrimos as coisas boas que temos conosco e vamos longe atrás de miragens e falsos tesouros.

Valorize o que você tem. A pessoa que está a seu lado, os amigos que estão junto a você, o emprego que Deus lhe proporcionou, o conhecimento adquirido, a sua saúde, o sorriso...Enfim, tudo aquilo que Nosso Senhor nos oferece diariamente para o nosso crescimento espiritual.”

Gosto muito de postar o que faço, mas nem sempre o que faço está à altura de uma homenagem!
Boa Tarde, fiquem com Deus, e voltem sempre!
Juju Porcino Loureiro

domingo, 28 de agosto de 2011

DEPOIMENTO DE NANDA



Minha mãe me disse: 
Filha, um livro eu vou fazer...! 
Gostaria que você escrevesse algo... 
Pra meu trabalho enriquecer. 
E insistiu pra eu não esquecer... 

Juro que tentei, tentei e... como tentei! 
Falar é fácil, conseguir é outra história. 
Pensei, pensei e ... até suei! 
Mas as rimas fugiam da minha memória...! 

Desculpe Mamãe! 
Não sei o que escrever... 
Mas em tudo, por tudo e com tudo... 
EU AMO VOCÊ!

Fernanda Loureiro

Obrigada Filha, adorei! 
Muito booommmmm !



"Que ninguém se engane, só se consegue a simplicidade através de muito trabalho."

(Clarice Lispector)

sábado, 27 de agosto de 2011

GOTA OU TENDINITE?



Do nada... não podemos nada...
E não adianta reclamar!
Até mesmo quando se está preparada
Aparece algo para incomodar...

Me deitei serena, sonolenta, leve e calma
Depois de fazer o jogo, com muita paciência
Acordei com dor no pé... doía até a alma
E... fui parar no hospital, na emergência.

Blá-blá-blá, espera, consulta e RX
O meu pé foi apalpado e analisado
Tendinite brava... fiquei infeliz
Não teve jeito, o pé foi enfaixado...

Mesmo assim o pé doía, latejava, esquentava
“É assim mesmo!” Meu pensamento repetia...
Os dias passavam e eu sempre falava
“Vai passar”! Amanhã... amanhã é outro dia.

Resolvi então, voltar para emergência
O plantonista era outro e fiquei na bancarrota
Pois com firmeza, segurança, ciência e consciência
Disse: “Senhora... o seu problema é gota!”

Fazer diagnóstico não é fazer vagonite
É necessário ter numerosos dados...
Para não confundir gota com tendinite
Bom mesmo... é ter muitos cuidados...

É preciso ficar informado
Pois nem tudo que parece é...
Tem muita doença malvada
Que lesa até... o dedão do pé.

Nossa Mãe! Que confusão...!
Não tenho gota nem tendinite
O que maltrata o meu dedão
É a danada da sesamoidite!

Juju Porcino Loureiro

“Como qualquer calouro de medicina aprende ao entrar na faculdade, para tratarmos uma doença, antes temos de diagnosticá-la corretamente. Tratando catapora como sarampo, as chances de sucesso caem bastante.” (Ricardo Amorim)

Sesamoidite apresenta-se como dor localizada sob os ossos sesamóides. Ossos sesamóides são dois pequenos ossos que se localizam embaixo da cabeça do I metatarso. Apresentam o formato de um grão de feijão e atuam como braço de alavanca do tendão flexor do halux (do dedão) e participam do desprendimento do pé na passada.




quarta-feira, 24 de agosto de 2011

ESSA HISTÓRIA FOI A MINHA RESPOSTA...


Um jovem cheio de sonhos e sentimentos tinha como objetivo resgatar a poesia. Determinado... partiu para um lugar calmo, cheio de encantos e belezas naturais.
O clima, o ar puro e a hospitalidade do povo era um convite para fazer dali sua morada e dar início a sua difícil luta.
Para conhecer as pessoas da cidade, começou a frequentar festas; participar de reuniões, cultos, missas; visitar escolas, clubes, associações e conversar muito com os moradores do lugar.
Na realidade ele queria saber por que lá, na “Terra do Poetas”, ninguém gostava de poesias.
- A poesia é decadente! Queremos coisas novas... coisas modernas...! Diziam.
E os mais rudes falavam:
- A poesia já era, morreu e está enterrada, acabou...!
Isso tudo era o que mais ouvia.
- Que coisa triste, quanta falta de emoção, quanta pobreza!
Pensava o jovem sonhador que... começou a agir bem rápido...
Convidou toda a comunidade para uma festa surpresa.
A curiosidade foi tamanha que a praça ficou superlotada. Parecia dia de festa!
Naquela noite “tudo” contribuiu para o sucesso daquele encontro especial...
O jovem emocionado e confiante pegou o microfone, cumprimentou o público e depois... depois? Foi bruscamente interrompido por um garoto que, extasiado de emoção, falava:
“Moço, moço, oh moço!
A lua está brilhando lá do outro lado do mar.
Se eu fosse um gigante, ligeirinho, chegava lá...
Pegava aquela bolona e começava a chutar e
Com meu irmãozinho eu ia brincar!”
- A criança se calou e reinou o silêncio. Silêncio total...!
O jovem então falou:
- Acabamos de ouvir uma linda explosão de sentimentos, uma verdadeira lição... esse garoto nos fez sentir como é bela a expressão da simplicidade. Meus amigos... isso é POESIA!!!
A poesia está presente na fé do idoso, na experiência do adulto, na energia do jovem, no sorriso da criança, no canto dos pássaros, no ronco do trovão, no brilho do sol, no encanto da lua e em toda a natureza.
Como matar a poesia? Por quê? Se ela está em todos os lugares e em todas as coisas?
O que falta, meus irmãos, é o olhar afetivo, a coragem e a vontade para externar os pensamentos de forma clara e emocional.
A poesia é a expressão do belo, da verdade, da fé, da esperança e do amor.
Vamos ter orgulho do nome de nossa cidade! Vamos valorizar a poesia...! Boa Noite e Muito Obrigado!
- O jovem foi muito aplaudido e a POESIA A ESTRELA VENCEDORA!
Aí, Juju chegou, pediu licença e disse:

Eu vejo a poesia na nossa amizade
No amor que une as pessoas
Nos alunos de nossa faculdade
No corre-corre e nas coisas boas.
Vejo a poesia na minha família
Nas pessoas de qualquer idade
Nos livros de Vanda e Odília
E nas aulas do professor Abbade.
Juju Porcino Loureiro

"As coisas mais simples da vida são as mais extraordinárias,
e só os sábios conseguem vê-las." 

domingo, 21 de agosto de 2011

MINHA ORAÇÃO



Eu vi a obra mais fascinante, mais esplêndida e grandiosa que um ser humano pode ver...
Vi a imensidão do mar, o relevo das montanhas, a beleza dos jardins, a elegância das mangueiras, a imponência das palmeiras.
Vi pássaros e borboletas que dançavam no rítmo de suas próprias canções.
Vi os galhos das árvores numa coreografia ímpar e relaxante.
Vi a beleza das flores, a harmonia dos tons e o matizado das cores.
Vi o sol brilhar várias vezes depois das chuvas passageiras.
Vi o sorriso fraterno e acolhedor das irmãs do convento.
Tudo que vi, ouvi e senti... foi como se o Pai dissesse:
Tudo isso foi feito pra você... é seu!
Pela sua ciência, pintura, arte, arquitetura e principalmente pelo seu amor...

Obrigada meu Pai do Céu! 
Perdão por todas as vezes que deixei de valorizar e preservar a natureza! 
Amém!

Juju Porcino Loureiro


“Quando tudo cala só Deus fala!”

sábado, 20 de agosto de 2011

CELEBRANDO O AMOR


Deus fez do amor um grande feito
E o colocou em nosso peito
Pra provar que desse jeito
Ele é força, é fé... É perfeito!

Numa linda tarde de verão
Ele nos deu a sua benção!
Hoje, lhe pedimos luz e proteção
Pro nosso amor ser doação.

Prá rotina não ser chata
Vamos ficar na torcida
Depois das Bodas de Prata
A união é mais querida!

Amor é carinho, é ternura, é ação
É sentimento que vira canção.
E numa serenata de emoção
Cantaremos com animação:

Viva nossas Bodas de Prata
De sonhos, cumplicidade e calor!
Pela nossa união, eu sou grata!
Obrigada meu Jesus Redentor!


Juju Porcino Loureiro 


"Não ame pela beleza, pois um dia ela acaba. Não ame por admiração, pois um dia você se decepciona. Ame apenas, pois o tempo nunca pode acabar com um amor sem explicação." 
(Madre Teresa de Calcutá)

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

NOSSOS DIAS DE PRATA




M arcante é o amor que brilha
A qui no nosso sólido lar.
R etalhos de sentimentos formam trilhas,
I deal pra família viajar, e...

A travessar um mar de maravilhas.

D isciplinadora é a boa convivência
A gente vai vivendo sem ostentação.
J untos, analisamos nossa convivência,
U sando a fé, o diálogo e a emoção.
D epois... tudo é só felicidade,

A Boda de Prata já é: ... realidade! 


E passaram 25 anos de cumplicidade!


L
á longe... bem distante...

O s anjos felizes e contentes... 
U nindo suas vibrações constantes
R ezam em tons firmes; suplicantes...

E o fazem por todos os seus entes.
I ncentivos animadores, é o que retrata... e
R egem nossas vidas triunfantes
O rnando e coroando nossos dias de prata!



Para mim DEUS é tudo; 
A vida é OURO; 
E meu casamento é PRATA!!

Juju Porcino Loureiro


“As pessoas entram em nossa vida por acaso, mas não é por acaso que elas permanecem.”

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Se eu fosse um padre


Agosto mês dedicado aos Padres... e sendo assim, faço minha homenagem com esta linda poesia do nosso grande poeta,
Mario Quintana.



Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
— muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,

não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,

Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!

Porque a poesia purifica a alma
...e um belo poema — ainda que de Deus se aparte —
um belo poema sempre leva a Deus!


Mario Quintana

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

MINHA VIDA

Não sou poetisa nem escritora
E nem é essa a minha pretensão.
Sou uma simples professora
Que deixa falar o coração.
                                      Juju Porcino Loureiro


Andei por muitos mundos...
Na história de minha vida
Vivi momentos belos, profundos.
Fui invejada... e também querida!

Eu sei que não agradei
A todos que me cercaram.
Mas... até o Grande Rei...
Traíram e o crucificaram.

De tudo que tive e passei:
Lutas, perdas e alegrias.
O baixo astral nunca deixei...
Amargurar os meus dias.

Sou alegre por natureza,
Otimista e cheia de esperança.
Acreditando no bom Deus...
Desde o tempo de criança.

Ingratidão a gente esquece,
Pra viver com serenidade.
Pois o tempo passa depressa...
Essa é a grande realidade.

A minha missão aqui na terra
É difícil de entender.
E as surpresas da vida
Só me fizeram crescer.

Trabalhei a fé e ganhei sabedoria
Aprendi com o belo e a dor.
Agradeço com muita alegria
A labuta que vem do amor.

Obrigada meu Deus e Senhor!

Juju Porcino Loureiro

"Todos estamos matriculados na escola da vida, onde o mestre é o tempo"

domingo, 14 de agosto de 2011

CUIDA BEM DOS MEUS OLHOS!

‎ É um imenso prazer para mim dividir essa mensagem com vocês meus amigos! Gosto de tudo o que nos faz refletir...! Eu sou assim, fazer o quê?
(Juju Porcino Loureiro) 

"Havia uma rapariga que se odiava por ser cega!!
Um dia, ela disse ao namorado que se pudesse ver o mundo casava com ele.
Num dia de sorte, alguém lhe doou um par de olhos.
O namorado pergunta: agora que vês, casas comigo?
Ela, chocada porque viu que ele era cego, disse: desculpa mas eu não posso casar contigo, porque és cego!
O namorado afastou-se em lágrimas e apenas lhe respondeu: "CUIDA BEM DOS MEUS OLHOS"


Muita gente não valoriza o que tem...
Beijos p/todos os meus amigos e seguidores!

sábado, 13 de agosto de 2011

DIA DOS PAIS

AMANHÃ TEM FESTA NA TERRA... TAMBÉM TEM FESTA NO CÉU... É DIA DOS PAIS!
Juju Porcino Loureiro


OBRIGADA MEU PAI...!


S ol de seriedade
nfinito de ternura
L uz de fraternidade
F ilho da candura.
R io de união
E lo de amizade
D ono da emoção
rmão da fidelidade!
O brigada paizão!

                    ... de coração!

Juju Porcino Loureiro


  
"Os ventos que as vezes tiram algo que amamos, são os mesmos que trazem algo que aprendemos a amar..
Por isso não devemos chorar pelo que nos foi tirado e sim, aprender a amar o que nos foi dado.
Pois tudo aquilo que é realmente nosso, nunca se vai para
sempre." (Bob Marley)

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

RETROSPECTO

O mês era setembro e três era o dia
Em Prado... linda cidadezinha
A família era pura alegria
Eu nascia... bem pequenininha.

Minha mãe muito religiosa
Pediu a Nossa Senhora
Que lhe desse uma boa hora
Sem sofrimento e sem demora.

Agora veja meu irmão
E responda com muita pressa
Tenho ou não tenho razão
Ela pediu... e eu paguei a promessa...

Minha infância foi sensacional
Aprendi de tudo um pouquinho,
Educação, religião, diversão... tudo normal
Isso com responsabilidade e carinho.

Foi lá em Medeiros Neto
Que cresci, estudei e me formei.
Vejo hoje num pequeno retrospecto
Colégios, clubes, igrejas e a nossa lei...

Aprendi com meus pais e mestres
Ao próximo amar e respeitar.
Era lição em todos os semestres
Conjugar e viver o verbo amar!

Minha mãe bem disposta e dedicada...
Meu pai de ações nobres e transparentes
Foi fiel e justo na sua caminhada
Exemplo para todos nós... seus parentes.

Estou fazendo aniversário
E a natureza me saúda
Agradeço ao Grande Santuário
Por ser eu... Maria d’Ajuda.

Juju Porcino Loureiro

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Nobres Momentos, Lindas Lembranças!


Minha História

Juju Porcino Loureiro

Como a vida é passageira
Resolvi... meus versos registrar
Para muitos isso é besteira
Mas pra mim, é partilhar.

Partilhar meus pensamentos
Meus desejos e sentimentos
Mesmo sem constrangimentos
É reviver grandes momentos.

Não sou poetisa nem escritora
E nem é essa a minha pretensão.
Sou uma simples professora
Que deixa falar o coração.

Desde a minha adolescência
Gostava muito de escrever
Narrava com consciência
Até o que pensava fazer.

A papelada se multiplicava
E não sabia onde guardar
Eu mesma reclamava...
E então... começava a rasgar

Rasguei minhas emoções
Meus sonhos e canções
E de todas as lições
Ficaram as recordações.

Recordar os bons tempos
De encanto e fantasia
É viajar em pensamentos
O que vivi nos velhos dias.

Meus versos são rimas pobres
Mas pra mim é uma glória
Porque meus sentimentos nobres
Apresentam minha história...

"Ser lembrado é acima de tudo um agradecimento que deve ser retribuído com um obrigado muito especial.. feito de dentro para fora, do coração para o mundo"

(Vinítius Sales)

Obrigada pelo carinho de todos que passam por aqui e deixam seus comentários.

Voltem sempre e fiquem com DEUS!